Ruínas de Kuélap, A Fortaleza dos Chachapoyas, Peru

Ano de 2014, eu estava em Chachapoyas, uma cidade que fica no norte do Peru em uma zona de transição entre Andes e a Amazônia a 2334m acima do nível do mar. Foi lá que provei a melhor comida chinesa en um Chifa, como são conhecidos os restaurantes chineses no Peru, mas isso é outro história.

Uma das estruturas circulares reconstruídas em Kuélap e o meu cão guia.

Fui para Chachapoyas para conhecer Kuélap, uma amiga peruana havia me recomendado e como gosto de arqueologia, não pensei muito.

Kuélap é uma cidade que foi construída pela civilização Chachapoyas, anos 900-1470d.c, foi construída no topo de uma montanha a 3000m de altitude em uma zona de difícil acesso, em zona de transição entre os Andes e Amazônia.

O nome "Chachapoyas" foi dado pelos Incas, que dentre um dos significados pode ser "Povo das nuvens" ou "Guerreiro das nuvens" isso devido a quantidade de neblina e chuva que há na região. Não se sabe como os "Chachapoyas" se autointitulavam.

Antes do nascer do sol, eu andava pelas ruas desertas e escuras, com frio e muita neblina, até o ponto em que o coletivo, utilizada pela população local, sairia com destino ao vilarejo próximo a Kuélap.

Quase chegando, ficamos presos em um atoleiro, e a estrada ficou bloqueada, só passava um carro por vez e a beira do precipício, era noite ainda, saímos, empurramos, o motorista ficou todo sujo de lama, com ajuda de outro carro e uma corda conseguimos sair do atoleiro, porém quando saímos, outro carro atolou. Tive nesse momento a primeira visão de Kuélap no topo da montanha com sol nascendo e iluminando-a.

Estrada com muita lama, e Kuélap no topo da montanha ao fundo do caminhão.


Nosso transporte à direira, branca, atolada.


Estrada bloqueada devido ao deslizamento de terra de uma das encostas.


Saímos do atoleiro, mas a estrada ficou bloqueada devido a um deslizamento de terra.

Chegando em Kuélap o que mais me impressionou foi a muralha construída ao redor de toda a cidade, em blocos de calcário, muito altas, em alguns pontos chegando até 20m de altura.

Dentro das muralhas há uma grande quantidade de construções circulares, mais de 400.

Áreas para possíveis rituais também são observados em alguns pontos, sendo encontrado ossadas humanas.

Caminhando em direção a Kuélap, que está a direita no topo dessa montanha. A estrada que está na montanha à esquerda foi por onde cheguei.


Acesso pelo lado sul do complexo arqueológico de Kuélap.


Ainda caminhando pelo lado sul.


A grande muralha e o portal de entrada. Kuélap possui somente três portais de acesso, dois no lado leste e um no lado oeste.


Porta Principal de Acesso.


Porta Principal vista por dentro de Kuélap.


Figura esculpida na pedra em alto-relevo próximo a porta de entrada.


A escada de madeira não faz parte do acesso original, somente os grandes degraus que estão abaixo com grama.


Quase no topo.


Parte das ruínas tomadas por árvores.


Uma das muitas estruturas circulares encontradas em Kuélap.


Detalhe em uma das estruturas.


Próximo ao acesso ao "Pueblo Alto", como era chamado a área mais alta de Kuélap.


Entrada para o "Pueblo Alto", o caminho vai se estreitando de forma que passe uma única pessoa, do outro lado, então, teoricamente apenas uma pessoa seria o suficiente para manter o controle do lugar.


Vista do "El Torreón" ou "A Torre", está no extremo norte do complexo, provavelmente utilizado para cerimônias ou rituais.


Uma das vistas desde Kuélap a 3000m de altitude, a estrada na encosta da montanha do lado direito, foi por onde eu vim.


Outra vista, existem muitas plantações ao redor.


Uma das poucas construções retangulares. Esse cão foi o meu guia.






Muralha do "Pueblo Alto".


Encostado na muralha do "Pueblo Alto".










Detalhe em uma das estruturas.


A vegetação toma conta do lugar.


Vista do "El Tintero" ou "Templo Mayor", está no extremo sul de Kuélap, provavelmente utilizado para rituais e cerimônias, possui 5,5m de altura e tem um poço com 5,0m de profundidade, várias ossadas humanas e de animais junto com cerâmicas foram encontradas em seu interior.


Construções circulares de Kuélap, cerca de 400.




Andando ao redor de uma das estruturas circulares, a 3000m na beira do precipício.
















A grande muralha de Kuélap.




Meu cão guia.

Neste dia só haviam dois visitantes em todo o sítio arqueológico, eu e outra pessoa. Pude explorar a área com toda calma e sem distração. Agora o local está mais divulgado e foi construído um teleférico para levar as pessoas até ao topo da montanha, evitando assim a caminhada, eu prefiro a caminhada, pelo mesmo caminho que os Chachapoyas percorriam.

Descendo cerca de 9km até o povoado de "Nuevo Tingo".


No caminho para "Nuevo Tingo, Rio Utcubamba. Desnível de 1300m em 9km.


Ponte em "Nuevo Tingo" esperando alguma carona para voltar para cidade de Chachapoyas.


Pensando no que seria Kuélap.

 Segundo o cronista Pedro Cieza de Léon, autor de "Crónica del Perú 1540~1550":
"Esses índios naturais dos Chachapoyas são os mais brancos e graciosos que já vi nas Índias em que andei, e suas mulheres eram tão bonitas que, por sua bondade, muitas delas mereciam ser dos Incas e levadas para os templos do sol".

Ainda não se sabe ao certo o que seria Kuélap nem sua função exatamente. Fortaleza, cidade, refúgio para a nobreza Chachapoyas, centro de rituais, centro de estocagem de alimentos... São muitas as teorias, somente as ruínas restaram de uma cultura antiga que acreditava na vida após a morte.

Sarcófagos de Karajía a 400m de altura na encosta de uma montanha. Há múmias em seu interior. A cultura Chachapoyas costumava realizar a mumificação e coloca-las nas encostas de montanhas em difícil acesso.

Comentários